TOP
Reflexões

“Dia das Crianças: saiba quais são as reações emocionais da infância!”

39-54-dia-a-dia-quais-sa%cc%83o-as-reac%cc%a7o%cc%83es-emocionais-de-uma-crianc%cc%a7a-conclusao

Como nesta quarta-feira, 12 de outubro, comemora-se o Dia das Crianças,

resolvemos fazer uma publicação para que possamos entendê-las cada vez melhor.

Quem tem filhos, sobrinhos e netos sabe que eles são fontes de alegria em nossas vidas.

E, por isso, é sempre importante compreendermos o que as crianças sentem.

 

Neste Dia das Crianças, vamos buscar compreender o que elas sentem.

Neste Dia das Crianças, vamos buscar compreender o que elas sentem diante das emoções.

 

Muitas vezes, achamos que conhecemos as reações das crianças às situações do dia a dia.

Porém, você pode estar um pouco equivocada em seus conceitos.

Analise o que os especialistas concluíram após uma pesquisa aprofundada sobre

as reações emocionais das crianças às situações que podem ocorrer na infância.

 

As emoções através dos olhos de uma criança

 

  • Morte do pai ou da mãe = culpa.

Relembrando sentimentos momentâneos de ira contra o pai ou a mãe,

a criança talvez abrigue sentimentos ocultos de responsabilidade.

 

Diante da morte do pai ou da mãe, a criança talvez abrigue sentimentos ocultos de responsabilidade.

Diante da morte do pai ou da mãe, a criança talvez abrigue sentimentos ocultos de responsabilidade.

 

  • Divórcio = abandono.

A lógica da criança diz que, se seus pais podem deixar de

amar um ao outro, podem também deixar de amar a ela.

 

A separação dos pais pode fazer a criança pensar que deixou de ser amada.

A separação dos pais pode fazer a criança pensar que deixou de ser amada.

 

  • Alcoolismo = tensão.

Claudia Black escreve: “o clima diário de medo, abandono, negação,

incoerência e violência real ou potencial promovido no lar de um

alcoólatra decididamente não é um clima funcional e sadio.”

 

Pais alcoólatras geram tensão dentro de casa.

Pais alcoólatras geram tensão dentro de casa.

 

  • Brigas entre os pais = medo.

Um estudo feito com 24 estudantes revelou que as brigas entre os pais

são tão estressantes que as consequências são acessos de vômito,

tiques nervosos faciais, queda de cabelo, perda ou ganho de peso e até mesmo úlcera.

 

Brigas entre os pais brigas entre os pais são estressantes e provocam consequências.

Brigas entre os pais são estressantes e provocam consequências.

 

  • Super desempenho = frustração.

“Para onde quer que as crianças se voltem”, escreve Mary Susan Miller,

“parecem estar numa competição acirrada em corridas programadas para

elas pelos adultos”. Pressionada para ser a melhor na escola, em casa,

e, até mesmo, nas brincadeiras, criança nunca ganha e a corrida nunca acaba.

 

A criança pressionada para ser a melhor em tudo carrega um grande fardo.

A criança pressionada para ser a melhor em tudo carrega um grande fardo.

 

  • Recém-nascido = perda.

Tendo agora de dividir a atenção e o afeto parental, a criança talvez ache

que perdeu o pai ou a mãe em vez de ter ganhado um irmão ou uma irmã.

 

A chegada de um irmão mais novo também causa emoções.

A chegada de um irmão mais novo também causa emoções.

 

  • Escola = ansiedade da separação.

Para Amy, deixar sua mãe e ir para a escola era como morrer um pouco todos os dias.

 

  • Erros = humilhação.

Com a sua volúvel autoimagem, as crianças “tendem a ampliar algumas

coisas fora de todas as proporções”, diz a Dra. Ann Epstein. Ela descobriu

que a humilhação era um dos mais comuns detonadores do suicídio infantil.

 

O erros não podem levar a humilhação.

O erros não podem levar a humilhação.

 

  • Invalidez = frustração.

Além dos escárnios de colegas sem piedade, a criança física ou mentalmente

deficiente talvez tenha de suportar a impaciência de professores e de familiares que

expressam desapontamento sobre o que está simplesmente além da capacidade dela.

 

Pensar nas reações infantis não é mesmo uma boa reflexão?

Pensar nas reações infantis não é mesmo uma boa reflexão?

 

A ideia aqui não é gerar sentimentos de culpa nos adultos. Mas, da próxima

vez que cogitar uma decisão conjugal, pressionar seu filho a tirar boas notas ou

se envolver em brigas de família, pense nos efeitos que isso terá efetivamente

na personalidade e na vida adulta dele. Não é mesmo uma boa reflexão?

Comente com o Facebook

Tags:    

«
»